O PERSONAL TRAINER NÃO TEM DE VENDER

Atualizado: 14 de mai.

Como garantir estabilidade financeira agora (...)


Se me está a ler, é Técnico de Exercício Físico, e principalmente se desempenha a função de Personal Trainer, já deve ter sentido que seria imensamente mais feliz na sua profissão se o cliente o procurasse e comprasse os seus serviços voluntariamente, sem precisar de lhe impingir nada com estratégias de venda. Que felicidade! E acredite que é possível viver esse sonho. Porém, requer que altere a sua forma de estar no sector onde trabalha, nomeadamente a sua imagem perante o cliente. Neste sentido, prometo ajudar com o primeiro passo: a consciência do que tem de melhorar.


A primeira pergunta a fazer

Pois é... agora que a sociedade volta à “normalidade”, e que os ginásios operam quase sem restrições – e muito em breve sem absolutamente nenhumas – os Técnicos de Exercício Físico estarão como num deserto sem água. Como divulguei num outro artigo (1) – que por acaso já bateu os records de leituras no nosso Blog (3250 até à data) – a pandemia, juntamente com o foco quase exclusivo na estética e alto desempenho dos quais este sector faz estandarte, provocaram uma depressão severa no mercado: muitos ginásios faliram, o desemprego fez-se sentir como nunca antes, e o universo de praticantes caiu drasticamente: o fitness voltou quase à estaca ZERO!


Entretanto, surge uma problemática profissional: com um mercado agora tão retraído, é bem provável que num futuro razoavelmente longo os Personal Trainers tenham dificuldades financeiras, ora porque a captação de novos clientes está extremamente limitada, dificultando a entrada profícua dos mais jovens profissionais, ora porque a oscilação natural na retenção de clientes antigos não poderá facilmente ser colmatada com novos, perturbando a estabilidade financeira dos profissionais já experientes. Ainda assi