Percepção Subjetiva de Esforço - ferramenta de treino.

Atualizado: 14 de mai.

Deixando o agradecimento público ao meu amigo e colega de profissão João Moscão por me convidar a escrever para o seu BLOG, quero também alertar que o assunto que irei abordar/expor não é único nem exclusivo quanto à sua validade ou praticabilidade. Irei apenas relatar alguns prós e contras relativamente à ferramenta de controlo da carga interna de treino, de baixo custo, fácil acesso e utilização no contexto de exercício físico realizado em grupo ou individualmente. Desta forma, se durante o texto por momentos achar que estou a falar mal de algo, em benefício da utilização única e exclusivamente desta ferramenta, por favor, volte a ler este parágrafo.


Existe uma relativa confusão, quer em contexto prático quer mesmo em contexto científico, entre o que é intensidade, esforço e desconforto. Essa confusão leva a que haja problemas na quantificação da carga interna que os sujeitos sofrem durante um processo de treino e/ou de prática de exercício físico acompanhado. Desta forma, torna-se pertinente clarificar definições e conceitos no contexto da prática e planeamento do exercício físico. Assim, intensidade corresponde à carga (externa) que se pode movimentar num período de tempo. Já o esforço, deve ser considerado como a quantidade de energia física e mental necessária para realizar um exercício físico, igualmente, durante um período de tempo. Por fim, o desconforto serão as sensações desagradáveis (por ex. ardor localizado) que um sujeito sente durante a execução de um determinado exercício físico. Erradamente na maioria das vezes estes conceitos são