PSICOFISIOLOGIA DA ADESÃO E RETENÇÃO NO EXERCÍCIO

Atualizado: 14 de mai.

Existem numerosos problemas de saúde física em Portugal que podem ser melhorados através do exercício físico regular. Profissionais de condicionamento físico podem promover a adesão e a retenção a longo prazo à atividade física, e uma estrutura para promover esse compromisso é o elo entre a intensidade do exercício, a resposta afetiva e a adesão ao exercício. Este artigo explora os três conceitos interligando-os com a psicofisiologia do funcionamento humano por uma perspetiva evolutiva, tendo como pano de fundo os sentimentos de prazer e desprazer como modeladores da prática do exercício físico. 


Vejamos alguns dados que interessa saber para melhor compreendermos a necessidade de reter quem se atreve a fazer parte da pequena percentagem de portugueses que praticam exercício físico. Segundo o Eurobarómetro divulgado no final de Março de 2018, 74% dos portugueses explicam que “nunca” ou “raramente” fazem exercício físico ou praticam desporto. Um valor de 14 pontos percentuais acima da média dos que na União Europeia respondem o mesmo. É pior entre as mulheres (78%, contra 68% dos homens). Ainda assim, tanto as mulheres como os homens portugueses estão longe das médias dos seus pares europeus. 


Portugal é o 5.º país onde mais inquiridos mostram ser particularmente sedentários. O sedentarismo está generalizado a todo território da UE, o que indica que “a mensagem sobre a importância do desporto e da atividade física para a saúde e bem-estar individual ainda não chegou a todos os segmentos da população”.